A piada da vida é não sabermos o dia de amanhã

Há dois anos atrás, estava no fundo de um poço escuro a tentar encontrar algo para me agarrar e sair de lá de dentro. Encontrei um apoio e agarrei-me a ele com toda a força. Esse apoio chamava-se “coaching”.

Quando penso que há precisamente dois anos estava a fazer o meu próprio processo de coaching e não fazia ideia do que queria da vida, não posso deixar de achar a vida incrível. Hoje, passados dois anos, sou eu que oriento processos de coaching. Agora estou do lado das perguntas e não das respostas. Mas se há dois anos me dissessem que isto ia acontecer, seria difícil acreditar.

Pensar nisto faz-me sorrir. Acho incrível a forma como as coisas podem mudar tanto em tão pouco tempo e como, sem percebermos, uma pequenina decisão que tomamos pode mudar o nosso rumo para sempre.

Eu gosto imenso de pensar no destino e de me questionar se há coisas pelas quais vamos sempre passar independentemente do caminho que escolhermos. Antes de ir para a universidade, durante muito tempo pensava escolher o curso de gestão no ISCTE, mas depois à última da hora acabei por mudar radicalmente e tirei o curso de audiovisual e multimédia na ESCS. Ora, como podem ver, os cursos nada têm a ver um com o outro. Mas vou contar-vos uma coisa. No último trabalho onde estive, eu estava a trabalhar em marketing e uma das minhas colegas de equipa também. E sabem a parte engraçada… ela entrou na universidade exatamente no mesmo ano que eu, no curso de gestão do ISCTE. Por isso, às vezes penso que se tivesse ido tirar gestão no ISCTE, talvez tivesse acabado exatamente no mesmo sítio. Quem sabe?

Eu acho isto maravilhoso. Quando tirei a licenciatura que tirei nunca pensei que acabasse a trabalhar em marketing, que tinha sido, aliás, uma licenciatura que tinha descartado das minhas escolhas. E tivesse escolhido o que tivesse escolhido, também não sei se não vinha dar ao mesmo sítio. Talvez hoje estivesse exatamente no mesmo sítio, ou talvez não. Nunca sabemos como teria sido se tivéssemos feito outras escolhas e também nunca sabemos o que nos reserva o futuro. A cada passo que damos temos a capacidade de mudar o nosso rumo. Às vezes até podemos fazer escolhas com um determinado rumo em mente, mas a verdade é que há muitas coisas que não controlamos e a melhor de todas, é o nosso coração.

Por aqui, o coração é que manda e gosto sempre de fazer aquilo que ele quer, mas mediante as minhas regras. Acho que consegui criar com ele uma parceria win-win e adoro quando ele me surpreende e me manda para sítios fantásticos que eu não podia imaginar. O meu coração mandou-me ir viajar pelo mundo e depois quando eu comecei a querer virar-me para os negócios, ele mostrou-me um sinal amarelo e abriu-me a porta de um caminho muito mais holístico. Hoje, estou aqui graças a ele e só posso agradecer.

Por isso te digo, se quiseres ser agradavelmente surpreendido pelo que a vida te reserva, começa por dar ouvidos ao teu coração. Ele vai sempre encaminhar-te para lugares especiais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *