O Regresso – 10 meses depois

Regressei a Portugal na semana passada e dei assim como terminada a minha viagem pelo mundo. Foram 10 meses certinhos de viagem. Apenas 10 meses, mas com um impacto em mim de vários anos. A intensidade com que se vive em viagem faz com que cada dia valha por bem mais do que as 24 horas de um dia comum casa – trabalho – casa.

Se tive pena de voltar, não. Voltar e sobretudo voltar antes do prazo que tinha estipulado inicialmente, foi uma escolha minha e foi uma escolha consciente e bastante refletida. Infelizmente ou não, não podemos ter tudo na vida e muitas vezes somos obrigados a fazer escolhas. E foram exatamente outras escolhas que me fizeram antecipar o meu regresso e alterar aquela que eu chamo a 2ª parte da minha viagem, quando andei pela América do Sul.

Agora confesso, que apesar de planeado há muito tempo, este regresso tem sido difícil e bem mais estranho do que estava a contar. A vida que eu tinha antes e aquela que era a minha zona de conforto já não existe mais. Nos primeiros dias que estive em Lisboa, sentia-me a agir como se continuasse em viagem e estivesse numa cidade que não me era familiar. Sentia-me em estado de alerta e parecia que nada encaixava. Depois voltei para o Alentejo e agora estou a interiorizar que não estou apenas cá de férias, mas a minha vida agora vai ser aqui. Um mundo novo, um quase começar do zero, sem dúvida uma vida nova. Aquela que queria para mim? Claramente que não, mas uma vida não se constrói do dia para a noite. Agora é dotar-me de toda a paciência que encontrar dentro de mim e perceber que tudo se irá alinhar, mas no seu devido tempo. Um passo de bebé de cada vez.

Durante a minha viagem, houve momentos que tive completamente perdida, outros houve que tive certezas completas daquilo que queria para mim quando voltasse e, neste momento, sinto-me numa tômbola a rodopiar. Sei que tenho milhões de coisas dentro de mim, mas parece que falta clareza para montar o puzzle. Tudo aquilo que já me foi tão claro, hoje está completamente enevoado e as certezas deixaram-me sozinha.

Resta-me dar-me tempo e estar atenta ao meu coração. Depois deste ano poderoso, tenho a certeza que ele não me vai falhar.

1 thought on “O Regresso – 10 meses depois

  1. Olá Neuza. Senti a tua falta por aqui, mas agora já está explicado 🙂 Bom regresso a Portugal. Continuarei aqui a acompanhar o teu caminho. Estando eu mesmo numa fase de mudança, gosto de me sentir acompanhada por outros testemunhos como o teu 🙂 Beijinho
    Beatriz Ribeiro de ilhoa.pt

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *